segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Ester, a rainha que salvou seu povo da morte.

Ester, a rainha que salvou seu povo da morte: o bem vence o mal novamente.  
           Nobre leitor (a) o livro de Ester tem uma história muito bonita também; pois envolve arrogância, mentiras, inveja, cobiça, e ganância, mas que termina com a verdade prevalecendo. E o amor de Ester faz a diferença em favor de seu povo: o livro de Ester contém dez capítulos, e que fizeram a diferença em favor do povo de “Deus”, o povo judeu, que naquela época viviam em cativeiro em terras distantes. Por causa da desobediência, teimosia, rebeldia, de murmuração do povo de Israel, que naquela época eram governados por reis, e que tinham a obrigação, a responsabilidade de fazer o melhor para seu povo. Nesta época era o tempo do rei Assuero, que reinou desde a India até a Etiópia: e Susã ficava na Babilônia. Era costume de o rei fazer uma festa, um banquete, e comemorar por 180 dias de muita festa, onde todos eram convidados, pobres e ricos, sem distinção: o Rei Assuero estava muito feliz, pois seu reinado prosperava, e todos de seu reino, foram convidados, inclusive príncipes e nobres também de outros reinos.
           Aconteceu que, o rei fez a festa, e que era para todos: inclusive a rainha Vasti, sua esposa; mas ela fez algo que desagradou a “Deus”, ao rei e a seus convidados ilustres. Ela a rainha, preferiu fazer sua festa particular, convidando todas as mulheres do reino para sua festa. Isto provocou a ira do rei, que também por pressão das autoridades do rei, exigiu dele uma atitude, uma ação enérgica. O rei destituiu a rainha Vasti, e a devolveu para sua cidade, e criou um edito, um decreto real para que o cargo de rainha fosse preenchida por outra. Foi buscada em todas as províncias do reino, moças virgens, de boa aparência, boa índole também para ser a nova rainha. Havia neste reino um homem chamado Mardoqueu, ou Mordecay dependendo da versão bíblica; e Mardoqueu havia terminado de criar sua prima, pois seus pais haviam falecidos. Seu nome era Ester, e era judia, ela era jovem, virgem, e muito bonita. Mardoqueu a levou para o palácio real, e ela foi colocada na presença do rei, entre muitas outras; e o rei ao ver Ester, a amou e se apaixonou por ela. Ester tornou-se a nova rainha e esposa do rei Assuero: mas Ester foi proibida de falar para o rei ela era judia. Havia nesta época, um homem chamado Hamã, que era tipo, primeiro ministro: ele era invejoso, ganancioso, mau, e mentiroso; e que não gostava do povo judeu, que se multiplicava muito rapidamente, pois era o povo de “Deus”. Este Hamã conseguiu fazer com que o rei Assuero criasse um decreto real permitindo que todos aqueles que fossem judeus, fossem exterminados. Hamã foi engrandecido pelo rei, por algo que ele não havia sido ele o responsável. O rei sofreu um atentado, que foi visto por Mardoqueu, e quem levou a fama foi ele, Hamã. Mas foi Mardoqueu que havia alertado sobre a trama contra o rei; e a fama e a glória foram dadas a Hamã.      
           Mardoqueu, quando soube do decreto, rasgou suas vestes e se vestiu de saco de cinzas, e saiu pelas ruas da cidade num grande e amargo clamor. A rainha Ester ficou sabendo de Mardoqueu e mandou chamá-lo para ir ao palácio; e Mardoqueu falou a rainha, tudo que estava acontecendo, e que estava para acontecer. Mardoqueu disse a rainha quem estava atrás de tudo, e sobre o decreto real para exterminar com todo o povo judeu, e deu-lhe uma copia do decreto real contra seu povo. A rainha mandou ajuntar todo povo judeu espalhado em Susã, e jejuasse por três dias, e três noites. E assim fez Mardoqueu; até aqui, caps, de 1 a 4: no cap. 5 a rainha Ester entra na presença do rei Assuero, e o convida para dois banquetes juntamente com o traidor, mentiroso infiel, ganancioso e invejoso Hamã. O rei aceita o convite da rainha, e lhe oferece metade de seu reino como forma de recompensa e amor.
           Nobre leitor (a), para que se tenha uma ideia, naquela época, ninguém poderia se aproximar do rei, se ele não estendesse seu cetro real em direção daquela pessoa. Mesmo sendo ela a rainha e esposa do rei, ela corria risco de pagar com a vida: mas o rei amava muito a rainha, que lhe estendeu seu cetro real. Então ela, a rainha lhe fez o convite, que foi aceito de imediato. A rainha usou de astúcia, e convidou o rei para um segundo banquete, e neste banquete ela diria sua petição, seu pedido; e o rei novamente aceitou o convite da rainha. E Hamã se enfureceu com Mardoqueu, por ele não o ter reverenciado; e Hamã nem imaginava o que lhe aguardava! E Hamã mandou construir uma forca para Mardoqueu, pois seu ódio por ele era muito grande.
Cap.6: O rei lê o livro de Crônicase descobre algo que iria acontecer com ele, e que outro levou as glórias sem merecer. O rei descobre que foi Mardoqueu quem havia descoberto a trama dos dois camareiros, que intentavam contra a vida do rei. Hamã havia sido honrado no lugar de Mardoqueu; e o rei manda Hamã fazer as honras a Mardoqueu, com vestes reais, e para ele fazer isto nas ruas da cidade de Susã, com Mardoqueu sobre um cavalo real e vestes reais. Quando Hamã descobriu quem seria o honrado, ele ficou ainda mais furioso com Mardoqueu, e muito mais preocupado ainda.
Cap.7: A rainha Ester revela ao rei tudo sobre Hamã, e sua pretensão: Ester revelou também que era judia, e fala do decreto que o rei havia editado contra o povo judeu, e que Hamã estava por trás de todas as maldades contra o povo judeu:  Hamã se desesperou, e foi implorar a rainha por sua vida. O rei ficou sabendo sobre a forca que o mau Hamã havia mandado construir para enforcar a Mardoqueu. O feitiço virou contra o feiticeiro; a forca serviu para Hamã e toda sua família, por decreto do rei.
Cap.8: O rei concede a Mardoqueu um decreto a favor de Mardoqueu, e de todo seu povo judeu: A rainha Ester implora em favor de seu povo, e chora diante do rei, que se comove com seu pedido, e cria um novo decreto libertando todo seu povo de serem mortos por causa da inveja, e da maldade de Hamã. E copias foram enviadas para outras províncias em favor do povo da rainha Ester.                                                                                                                                                          Cap.9: Com a permissão do rei Assuero, o povo judeu pode se defender matando seus inimigos.
Mardoqueu se tornou grande em todo o reino sendo o segundo no reino: e os inimigos do povo judeu foram sendo exterminados um a um: e os dez filhos de Hamã foram também enforcados a mando do rei, e por causa da maldade de seu pai Hamã. E Mardoqueu cria uma data para ser comemorada como o dia do repouso contra seus inimigos; a festa de Purim: e esta data foi confirmada e estabelecida, e foi escrita no livro.
      Cap. 10: Mardoqueu é exaltado pelo rei tornando-se segundo no reino, e fazendo todo reino prosperar.
Nobre leitor (a), assim foi o livro e a história de Ester: que começou com uma desobediência da rainha Vasti, que provocou sua destituição do posto de rainha. A inveja, o ódio, a ganância, a cobiça e a mentira de Hamã quase fez o rei cometer uma injustiça contra o povo de “Deus”, o povo judeu. O rei Assuero era um homem bom, correto e justo, e não compactuava com mentiras. A rainha Ester era judia, e muito bonita e fiel a “Deus”: e seu “amor”, sua bondade, sua obediência a “Deus” fez a diferença em favor de seu povo.
Sua lealdade a seu povo e a “Deus” foi de fundamental importância para salvação de seu povo.
Ester foi um propósito de “Deus” para seu povo daquela época. Para “Deus”, nada é por acaso; todo o acontecido serviu para mostrar ao rei, a verdade, e para mostrar que, o mal não pode vencer o bem: a justiça é sobre todas as injustiças. A inveja, a mentira, o ódio e a cobiça, tem um tempo muito curto para existir. Quem vive e pratica estas coisas, não será para sempre uma pessoa feliz, vitoriosa, próspera; sua queda é muito dura, triste e muito dolorida. Hamã e toda sua família pagaram com a vida: adiantou ele querer ser um homem de poder e de prestigio perante o rei! Claro que não. Ele perdeu tudo, inclusive a vida e a família. E Ester, se tornou rainha, e muito amada pelo rei desde o primeiro dia, e por todos do reino. Todo seu povo ganhou por causa da rainha; e “Deus” ficou muito feliz com o gesto da rainha, do rei e de Mardoqueu.
Esta historia de Ester é para mostrar a você que, o bem sempre vencerá o mal: o mal pode até triunfar por algum tempo, mas chegará o dia em que o bem, a verdade, a justiça será declarada vencedora, e para sempre. E aqui, a verdade é e será sempre “Deus”, e hoje é através do Filho “Jesus Cristo”. Tudo aqui escrito por mim esta confirmado nos caps. 1 ao 10 de Ester: procurem tirar boas lições da historia de Ester, e reflita sobre tudo que passou o povo de “Deus”, que hoje somos nós também; pois fomos escolhidos e adotados por “Deus”, por amor do “Filho Jesus Cristo”               
Este tema foi escrito por José Carlos Ribeiro, membro da PiB de Campo Grande MS, e formado em capelania hospitalar e prisional, e escritor evangélico ainda desconhecido pelo mundo, mas super conhecido por “Deus” sou operador de som voluntario da Pib
Campo Grande 23 de Janeiro de 2012 > carlos.pib.ms@gmail.com> jcr0856@hotmail.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário